Início » O melhor da moda feminina

Curadoria

Renata Piza

Renata Piza
Curadoria
O melhor da moda feminina

Chanel

são tantas as contribuições da maison à moda, que é praticamente impossível elenca-las. Entre as minhas favoritas estão as peças emprestadas do guarda-roupa masculino, tendência lançada pela própria Coco Chanel quase 100 anos atrás e que até hoje continua. Do tweed ao look navy, inspirado nos marinheiros, os desdobramentos da ideia seguem atuais, atualmente sob a supervisão de Karl Lagerfeld. Também amo a ideia das bijoux fantasia, como os braceletes feitos em parceria com Fulco di Verdura (o da cruz malta é emblemático), e os aclamados colares de pérolas de vidro austríacas.
http://www.chanel.com/pt_BR/?gclid=CjwKCAjww6XXBRByEiwAM-ZUIF0oVPKFI-1yPqtTjLkKCIbh2M9-XDrs3yzRnDvP70eGf1htTjBhxBoCw6UQAvD_BwE

Bottega Veneta

a marca reúne a melhor tradição italiana do fatto a mano. As bolsas são extremamente chiques e reconhecíveis, mesmo sem logo. O mérito é do intricato, o famoso trançado de couro feito pelos artesãos.
https://www.bottegaveneta.com/it

Paula Raia

ex-Raia de Goeye, marca que mudou a maneira de a paulistana se vestir nos 2000, Paula, que é arquiteta de formação, alçou voo solo em 2010 e, desde então, tem investido em peças únicas, que privilegiam o design elaborado e o uso de matérias-primas naturais, pouco ortodoxas em vestidos de festa. O resultado é sempre muito autoral e poético, o tipo de roupa que tem uma forte assinatura.
http://www.paularaia.com/

De Goeye

comandada pelas irmãs Fernanda e Renata de Goeye, a grife não faz coleções e só trabalha com tecidos de altíssima qualidade, grande parte desenvolvida por elas. A proposta da label é que a mulher crie um guarda-roupa atemporal, com peças divididas em famílias que se repetem ao longo do tempo. A produção é bem pequena – o que garante maior exclusividade – e elas também fazem sob medida.
https://www.instagram.com/degoeye/

Alexandre Birman

à frente de um império calçadista – Arezzo, Schutz, Anacapri, Fever e a recém-lançada Ownme, Alexandre tem na marca homônima o espaço para criar acessórios mais sofisticados, como as icônicas Claritas, a sandália de amarrar no tornozelo que é cartão de visitas da grife.
https://www.alexandrebirman.com.br/

Fendi

com a dupla Silvia Fendi e Karl Lagerfeld, a quase centenária casa italiana, aberta em Roma em 1925, segue fazendo história ao unir tradição e fashionismos na mesma fórmula. O FF, por exemplo, de slogan se transformou na estampa mais desejada do momento. As baguettes são um case à parte, com direito até a livro, tamanha a variedade. E a linha bugs, de chaveiros de pele, porta de entrada para os produtos de luxo.
https://www.fendi.com/

Goyard

quando se fala em malas e baús de alto padrão, é impossível não citar a Goyard. Fundada em 1792, a Maison francesa transborda tradição, sem deixar de lançar moda – foi a Goyard, por exemplo, que ajudou a colocar a customização, com as iniciais da dona na bolsa, em voga.
http://www.goyard.com/

Dolce & Gabbana

sexy e divertida, para mim, essa é a imagem da Dolce. Além dos corsets e lingeries para serem usadas à mostra, a grife é campeã em referências inusitadas – até macarrão já inspirou a linha de bijoux. As estampas são sempre fortes, com destaque para onças e flores, e a bolsa Sicily virou um clássico. É perfeita para o Brasil, cheia de cores e alto-astral.
http://www.dolcegabbana.com/

Gucci

nenhuma marca é tão lançadora de tendências quanto a Gucci de Alessandro Michelle. O italiano trouxe a Maison de vez para o século 21, alinhando as roupas e acessórios ao discurso da geração millenium – pense na onda genderless, no feminismo e até em ciborgues, tema da última apresentação. O resultado final é retrô futurista, por mais contraditório que pareça!
https://www.gucci.com/int/en/

Prada e Prada Uomo

Miuccia Prada é uma das estilistas mais importantes da ativa. Sua estética desafia o senso comum e faz com que todos se apaixonem pelo improvável – até estampas de cachos de banana ela fez virar febre. Os sapatos duram uma vida inteira e as bolsas bowl de couro valem o investimento – sem falar nas mochilas de náilon, material que ela elevou à categoria de luxo.
http://www.prada.com/en.html?cc=WW

Moncler

sinônimo de doudoune, a grife teve uma sacada de gênio recentemente. Convocou 8 mentes criativas, entre elas as de Pierpaolo Piccioli, da Valentino, e Simone Rocha para reinterpretar o casaco de matelassê no projeto Moncler Genius.
https://www.moncler.com/gb/

Ricardo Almeida

http://www.ricardoalmeida.com.br/?gclid=CjwKCAjww6XXBRByEiwAM-ZUIE1BkKI1veJ9t7GDfyNGzgPOTTkiFlfjO3jIpI7opjmgPnsY2yicRBoC7LMQAvD_BwE

Tod’s

seu comentário
http://store.tods.com/Tods/EU_EN/c/211-Tods?gclid=CjwKCAjww6XXBRByEiwAM-ZUILR9DwZOLJkG4xzEGTOHKy0H3-KTi1uvXo_0pzoedOeMW4vahEC2MBoCwioQAvD_BwE&dclid=CL3U9-vk59oCFRMQhwodeHEFgw

Salvatore Ferragamo

seu comentário
https://www.ferragamo.com/shop/es/mex

Saint Laurent

Yves é o pai do prêt-à- porter, além de ter feito muitas contribuições à moda – o namoro com a arte, por exemplo, nasceu com ele, no clássico Mondrian dress. Hoje, mais rebelde, mas sempre sofisticada, detém as melhores jaquetas de couro e ótimos acessórios, como as botas metalizadas.
https://www.ysl.com/wx

Brunello Cucinelli

conhecida mais por insiders, prima pela qualidade das matérias- primas. Quer um cashmere pra vida? Essa é a marca.
https://shop.brunellocucinelli.com/en-us/boutiques

Dior

das mulheres flores – Christian Dior é o pai do new look – às mulheres empoderadas da era Maria Grazia Chiuri. A Dior tem desde peças ícone como a bolsa Lady Dior, batizada em homenagem à Lady Di, que era fã do modelo, até as camisetas manifesto We Should be all feminists. Na dúvida, una as duas pontas.
https://www.dior.com/home/pt_br?gclid=CjwKCAjww6XXBRByEiwAM-ZUIFQJ0dazrL4Znck9ZPoNFrocKJTvueIyRVI1d34GR1TA3iG6SFGAsxoC6QYQAvD_BwE

Emilio Pucci

das roupas de ski para as passarelas, a Pucci consagrou suas estampas coloridas e indefectíveis. Vale a pena ter pelo menos uma no seu acervo fashion. Os lenços, por exemplo, são tão lindos que podem até se transformar em quadros. A linha de praia tem tudo a ver com o Brasil.
https://www.emiliopucci.com/

Giorgio Armani

o local para comprar a camisa branca perfeita. A alfaiataria, aliás, é impecável, não à toa, foi o estilista italiano o responsável pelo look da geração yuppie.
https://www.armani.com/us/armanicom/unisex/giorgio-armani/cross_section

Hermès

as bolsas mais desejadas do mundo estão aqui e têm nome: Kelly e Birkin. O laranja virou sinônimo da sofisticação da casa francesa, assim como o caramelo, mas há todas as cores e tipos de couro imagináveis, manuseados por artesãos. Os lenços e gravatas também são clássicos e há ótimas licenças poéticas, como o relógio em parceria com a Apple, o Apple Watch mais chique do planeta. E, claro, pensou em botas de montaria, a Hermès é o lugar – a casa começou fazendo selas e segue a tradição.
http://www.hermes.com/index_br.html

Valentino

o vermelho já foi o símbolo-mor da Valentino; hoje, ele divide a cena com os vestidos de renda mais elaborados, que podem ser pretos ou lilás, e até com o camuflado, que fez os tênis da Maison se tornarem disputados. Nos acessórios ainda, a linha com spikes, a Rockstud, é desejo absoluto e uma das mais copiadas.
https://www.valentino.com/countries/index

Sandro Barros

ex-Daslu, o estilista cria alguns dos vestidos de festa mais requisitados pela sociedade paulistana, seguindo os preceitos de alta-costura.
http://www.sandrobarros.com/

Jimmy Choo

http://us.jimmychoo.com/en/home

Louis Vuitton

Noé (e NéoNoé, a versão mais recente), Neverfull, Speed. Se estiver em busca dos modelos mais clássicos, fique com uma dessas três ou com a petite malle, inspirada nos baús, primeiro produto criado por Louis Vuitton. O ready-to- wear, comandado por Nicolas Ghesquière, é altamente desejável – ele consegue fazer até com que tênis esportivos, bem na vertente ugly shoes, entrem na moda.
https://br.louisvuitton.com/por-br/mulher/bolsas/_/N-e8isqy?campaign=sem_GG-BR-POR-EC-BRAN-BREX

Lapima

made in Brazil, os óculos da Lapima são muito especiais. Feitos em quantidade pequena, com a técnica de usinagem (a mesma usada nas pranchas de skate), eles têm design arquitetônico e um quê retrô – a lente é mais profunda e dá essa sensação. O acetato é italiano e tudo é feito à mão. O Carlota é meu modelo favorito.
https://www.lapima.com/