fbpx
Publicado em 5 de julho de 2019, por

Apaixonada pela Itália, a travel designer Ana Grassi é especialista em cultura, turismo e idioma do país. Trabalha na inovadora profissão que planeja viagens nos mínimos detalhes de acordo com cada perfil de viajante. Indicando os melhores passeios, cidades e roteiros para aproveitar ao máximo cada parte do país europeu. A seguir, ela mostra como explorar as várias exposições da Bienal de Veneza, o principal evento do calendário internacional de arte do mundo, de forma otimizada e inesquecível.

A 58ª edição da Bienal de Veneza acontece de 11 de maio a 24 de novembro e deve atrair cerca de 500 mil visitantes para a mostra central, com 79 artistas de 38 países. Com a curadoria de Ralph Rugoff, nascido em Nova York e diretor da Hayward Gallery, em Londres, o evento foi intitulado de May You Live In Interesting Times. “Metade da lista dos artistas é formada por mulheres, um fato inédito nesse evento, que foi iniciado em 1895 e isso é motivo de orgulho para nós”, comenta a especialista.

A primeira dica é planejar tudo com antecedência, principalmente a hospedagem. “As obras estão expostas principalmente em dois pontos, no Arsenal e no Giardini, dois pontos mais à leste de Veneza. Essa região da cidade tende a ficar cheia e com poucas vagas em hotéis durante a bienal. Para piorar, mais a leste da cidade se encontram as atrações icônicas de Veneza, como a Piazza e a Basílica de San Marco, então indo para leste ou oeste, a tendência é encontrar pontos lotados na cidade”.

Por conta disso tudo, as escolhas são: pegar um hotel mais afastado e lidar com um pouco a mais de caminhada na hora de ir para as exposições da bienal, ou tentar algum hotel mais perto, mas provavelmente mais cheio. Caso queira pegar hotéis mais próximos à agitação, hotéis como o Londra Palace ou o Pensione Wildner podem ser uma boa opção. “Quanto aos hotéis mais resguardados, recomendo alguns como o Carnival Palace ou o Venice Times”, completa.

“Quando você chegar perto dos polos da exposição, vai perceber que existem bem menos comércio do que nos pontos mais tradicionais da cidade, então pode ser mais difícil achar um bom caffè, por exemplo. Um dos bons lugares para visitar é o Caffè La Serra. Fica no caminho entre o Arsenal e o Giardini e oferece um ótimo ponto para descansar!”, finaliza a travel designer.


[ VEJA MAIS ]